quarta-feira, 29 de novembro de 2017

       .







Resultado de imagem para imagens de Natal
  Mais um ano a terminar e já cheira ao espírito natalício, Boas Festas para todos.

         Com os melhores cumprimentos
              A Equipa  Mithósaler

domingo, 26 de novembro de 2017

Precisamos de conversar mais sobre educação - não apenas escola, mas também, e muito, a escola

 Luís Borges
Seria preciso mudar a própria escola.

Há algumas coisas que não têm que ver com a escola. Uma delas é o sono: as crianças devem dormir nove a dez horas por noite. Uma criança que dorme pouco tem dificuldade em concentrar-se e grande parte da nossa memória de longo prazo é feita durante o sono. Depois, há o desporto: a atividade motora liberta substâncias que relaxam, o que vai facilitar a aprendizagem. E há outra coisa importante: o uso exagerado dos tablets e dos telemóveis. Porque a atenção que se usa num jogo de computador é totalmente diferente da que se utiliza para ler e compreender um texto, e as crianças vão habituar-se àquele tipo de atenção… Tudo isso, eu digo aos pais. Mas sim, seria sobretudo importante mudar escola, mudar os programas, aliviar os professores da pressão das metas curriculares… Aos seis anos, é o currículo que deve encaixar na criança e não o contrário.


Luís Borges, neuropediatra

Vida Independente


De acordo com o  Decreto Lei N.º 129/2017 de 9 de Outubro, a Mithós irá candidatar-se a ser um Centro de Apoio à Vida Independente (CAVI)
Para tal, estamos a abrir as candidaturas a potenciais participantes* que necessitem de assistência pessoal para realizar tarefas da vida diária que não consigam realizar por elas próprias. 

Ficha de inscrição (gratuita): https://goo.gl/forms/i4yvgU7Lb562I1yt1

Para mais informações ou esclarecimentos, contacte-nos: 
263 209 507
ou 963 877 695
 ou 963 877 706

*Podem participar todas as pessoas maiores de 16 anos com:
a) deficiência com atestado multiuso com mínimo de 60% de incapacidade
b) perturbação do espectro do autismo
c) doença mental

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Educação Bilingue para Surdos: Uma Experiência Portuguesa - por sinal, consegues ouvir o Mundo ?

 Imagem daqui https://www.serralves.pt/fotos/editor2/programas_educativos_2017-2018_v1_single.pdf —
Imagem daqui

Um artigo interessante sobre a História da  Educação de Surdos no nosso país

A História da Educação de Surdos em Portugal não é separável da História da Casa Pia de Lisboa (CPL). Foi nesta instituição que se introduziram os principais métodos de ensino de surdos que se aplicaram em Portugal. O ensino de surdos foi introduzido pelo professor sueco, Per Aron Borg também fundador da primeira escola de surdos da Suécia.

Este professor traria consigo o alfabeto manual sueco que viria a ter grande influência na própria Língua Gestual Portuguesa (LGP) sobretudo ao nível das configurações da mão. A partir de 1905 é introduzido na CPL o método oral por Pavão de Sousa e que viria a dominar a educação de surdos no nosso país durante 87 anos relegando a LGP para a clandestinidade, embora se continuasse a desenvolver nos lares e nos intervalos das aulas e nos refeitórios. À semelhança de muitos locais da Europa e América o Método Oralista, também, em Portugal começa a ser posto em causa embora mais tarde (nos anos 90 do século XX). Assim, é no Instituto Jacob Rodrigues Pereira (IJRP) que a LGP é recuperada da clandestinidade e passa a ser alvo de estudos científicos e aplicado no ensino desta população dando origem aos primeiros passos do Ensino Bilingue em Portugal.
Todavia, embora o modelo teórico da Educação Bilingue fosse já uma realidade, o mesmo não se passava com a sua aplicação prática. Vários eram e são os impedimentos para essa aplicação efetiva. Por essa razão a partir de 2005, o IJRP organizou-se de forma a que a aplicação do bilinguismo fosse uma realidade como base em diferentes eixos: a intervenção precoce; o trabalho com as famílias; a construção de materiais bilingues; a aplicação do programa de língua portuguesa para surdos; a ampliação da equipa de integração e formação profissional; a criação da Unidade de Investigação; a constituição do departamento de educação especial e uma equipa de serviços técnicos de apoio e serviço educativo. Estas valências têm produzido bons resultados ao nível do desempenho escolar dos alunos surdos e na sua inclusão autónoma na sociedade.


Educação Bilingue para Surdos: Uma Experiência Portuguesa por Paulo Vaz de Carvalho - porsinal, consegues ouvir o Mundo ?

Outra fonte interessantes, mais extensa - Educação bilingue de alunos surdos : manual de apoio à prática (2009)

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Livros gratuitos sobre Educação Inclusiva

Livros gratuitos sobre Educação Inclusiva


Você que é professor, estudante, pesquisador ou quer apenas conhecer mais sobre esse assunto tão importante para uma boa convivência acadêmica, pode fazê-lo baixando os livros gratuitamente para ler quando e onde quiser. São 11 opções, veja só aqui (Fonte: Canal do Ensino)



Livros gratuitos sobre Educação Inclusiva — SÓ ESCOLA

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

As palavras importam? Sim, e muito. | ACAPO

 Capa do livro, várias letras e o texto "a deficiência na comunicação social"


Já ouvi pessoas com deficiência dizerem que não lhes importa as palavras usadas para se lhes referirem - deficiente, pessoa com deficiência, por exemplo - que tanto lhes faz. Mas acredito que as palavras que recebemos, de nós próprios e dos outros, importam e muito. Provocam-nos emoções, moldam-nos conexões neuronais e comportamentos, influenciam-nos o estado de espírito. Têm significados, senão não seriam palavras, e causam impacto em quem as ouve e sente. A própria Bíblia já dizia que «Há palavras que ferem como espada, mas a língua dos sábios traz a cura» (Provérbios 12:18), e a própria ciência tem vindo a comprovar esse poder.
Dora Alexandre  
Autora do livro “A deficiência na comunicação social, guia de boas práticas para jornalistas” no âmbito do Grupo de Reflexão Media e Deficiência do Gabinete para os Meios de Comunicação Social (Brasil, 2013).




As palavras importam? Sim, e muito. | ACAPO